Loading...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Poesia Infeliz!

Poesia Infeliz!



(Edson Filho)


Madrasta irritante!


Que berra todos os dias aos meus ouvidos,


E me ordena a todo instante,


A lembrança, aos gritos!






A minha labuta agonizante,


De construí-la e reconstruí-la,


Perfeita e inquietante!


Numa inspiração sublimada


Para criá-la texto, verso e rima arfante,


Com imagem, cheiro, lira e pantomima!






Perdido entre as palavras oníricas,


Como um mendigo fedido,


Esmolando em terras desconhecidas,


Vejo pingando centavo por centavo caído,


Na cuia dos pensamentos,


Versos soltos, incultos, absurdos e inconclusos.






Na ponta da caneta, desce suor, escorre sangue e desespero.


Nesta árdua tarefa de fecundá-la, tornando-se fonte de meus tormentos.


Poesia que nada! Meretriz traiçoeira! Amante infeliz!






Que me obriga a mergulhar nos meus sofrimentos,


E me torna essa máquina motriz de construir textos em rima sem fim!

domingo, 27 de novembro de 2011

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA


 
 
 
Meu 13 de Maio é 20 de Novembro!




Eu encontrei um universo dentro de mim. Escondido no passado e no presente. A minha história negada, apequenada, roubada, camuflada, distorcida... Agora, descortinam meus olhos esperançosos de verdade, as novas histórias que se encenam.


Como uma criança aprendendo a andar, reaprendo a minha História! Venho passando a limpo, livros que deveria ter lido, histórias que deveria ter ouvido, autores que deveriam ter sido indicados, educadores que, de má-fé ou não, me ocultaram, minimizaram ou omitiram as histórias de um povo. Povo cujo sangue trago no corpo. Na alma, carrego seus espíritos inquietos, nos traços da minha caminhada, venho trilhando a linha que me leva a reencontrar outro homem no espelho e que me faz ter um outro olhar para a vida, para minha História!

Eu sou...


Sou liberto,


Sou África,


Berço da Humanidade!


Sou História,


Não me apequeno,


Busco a verdade...


Sou luta,


Sou movimento,


Sou ginga!


Sou quilombo,


Sou Ganga Zumba.


Sou brasileiro!


Sou esperança,


Sou negro orgulhoso,


Sou consciência!


Sou berimbau,


Sou capoeira,


Sou Zumbi, herói nacional!


Sou Palmares,


Sou União,


Eu sou a liberdade...


Sem alienação!






Edson Filho,


 Por 20/11/11

P.S: Segundo Biko,

"A Consciência Negra é, em essência, a percepção pelo homem negro da necessidade de


juntar forças com seus irmãos em torno da causa de sua atuação – a negritude de sua pele –

e de agir como um grupo, a fim de se libertarem das correntes que os prendem em uma

servidão perpétua. Procura provar que é mentira considerar o negro uma aberração do

“normal”, que é ser branco. É a manifestação de uma nova percepção de que, ao procurar

fugir de si mesmos e imitar o branco, os negros estão insultando a inteligência de quem os

criou negros. Portanto, a Consciência Negra toma conhecimento de que o plano de

Deus deliberadamente criou o negro negro. Procura infundir na comunidade negra um

novo orgulho de si mesma, de seus esforços, seus sistemas de valores, sua cultura,

religião e maneira de ver a vida. "



Steve Biko


quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Eu Tenho Tempo


Eu Tenho Tempo
Hoje, ao atender o telefone, meu mundo desabou.

Entre soluços e lamentos, a voz do outro lado da linha me informava que o meu melhor amigo, meu companheiro de jornada, havia sofrido um grave acidente, vindo a falecer.

As imagens de minha juventude vieram quase que instantaneamente à mente.


A faculdade, as bebedeiras, as conversas em volta da lareira até altas horas da noite, os amores não correspondidos, as colas, a cumplicidade, os sorrisos....

AHHHHH... os sorrisos....

Como eram fáceis de surgir naquela época.

Lembrei da formatura, das lágrimas e despedidas, e principalmente, das promessas de novos encontros. Em seus olhos a promessa de que eu nunca seria esquecido.

E realmente, nunca fui.

Perdi a conta das vezes em que ele carinhosamente me ligava quando eu estava no fundo do poço,. das mensagens que nunca respondi.

Lembro que foi o seu rosto que vi quando acordei de minha cirurgia do apêndice.

Lembro que foi em seu ombro que chorei a perda de meu amado pai.

Foi em seu ouvido que derramei as lamentações do noivado desfeito.

Apesar do esforço não consegui me lembrar de uma só vez em que tenha pego o telefone para dizer a ele o quanto era importante para mim.

Afinal, eu não tinha tempo.

Não lembro de procurar um texto edificante e enviar para ele.

Eu não tinha tempo.

Não lembro de ter ouvido os seus problemas.

Eu não tinha tempo.

Acho que eu nunca sequer imaginei que ele tinha problemas.

Não me dignei a reparar que constantemente meu amigo passava da conta na bebida.

Só agora vejo com clareza o meu egoísmo.

Talvez, e este talvez vai me acompanhar eternamente, se eu tivesse saído de meu pedestal e prestado um pouco de atenção e despendido um pouquinho do meu sagrado tempo, meu grande amigo não teria bebido até não aguentar mais e não teria jogado sua vida fora ao perder o controle de um carro.

Estas indagações que inundam agora o meu ser nunca mais terão resposta.

A minha falta de tempo me impediu de respondê-las.

Agora, escolho uma roupa preta, digna do meu estado de espírito, e pego o telefone.

Aviso ao meu chefe de que não irei trabalhar hoje, e quem sabe nem amanhã.

Pois irei tirar o dia para homenagear uma das pessoas que mais amei nesta vida.

Ao desligar o telefone, com surpresa eu vejo, entre lágrimas e remorsos, que para acompanhar durante um dia inteiro o seu corpo sem vida,

EU TENHO TEMPO!




PS: Já faz muitos anos que escrevi este desabafo no diário de minha vida.

Hoje estou casado, tenho dois filhos e todo o tempo do mundo.

Trabalho com o mesmo afinco de sempre, mas somente sou "o profissional" durante o expediente normal.

Fora dele, sou um ser humano.

Nunca mais uma mensagem da minha secretária eletrônica ficou sem pelo menos um "oi" de retorno.

Procuro constantemente encher a caixa eletrônica dos meus amigos com mensagens de amizade e dias melhores.

Sempre lembrando as pessoas de como elas são importantes para mim.

Abraço constantemente meus filhos, minha esposa, e minha família, pois os laços que nos unem são eternos.

Acompanhei cada dentinho que nasceu na boquinha de meus filhos, o primeiro passo, o primeiro sorriso, a primeira palavra.

Procuro sempre "fugir" com minha esposa e voltar aos tempos em que éramos namorados e prometíamos desbravar o mundo.

Esses momentos costumam desaparecer com o tempo.

Distribuo sorrisos e abraços a todos que me rodeiam.

Afinal, para que guardá-los.

Pelo menos uma vez por mês, levo minha família à praia.

Sempre que volto para casa, após este nosso encontro, volto recarregado de energia e de amor.

Mas, principalmente, carrego a certeza de que sempre terei tempo para o amor e suas formas mais variadas.

E, sabe de uma coisa, meu amigo eterno.

Eu sou muito, muito, muito mais feliz!


Essa mensagem é muito verdadeira, não conheço o autor, mas ela faz a gente refletir sobre nossas atitudes em relação ao outro, que tanto nos faz bem e a gente se acha no direito de ignorá-lo(a), seja quem for, conhecido ou não. Acho que está música do Michael Jackson tem um pouco haver com isso)

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Um poema para o meu amor

  Um poema para o meu amor

Escrevi este poema pra você,
De tanto em ti pensar,
E para que tu possas saber,
Não pude mais suportar,
O sentimento que carrego,
Resolvi então revelar,
O amor que trago dentro do peito, aberto...
Minha busca enfim acabou,
Porque no coração, aqui mesmo,
Do lado esquerdo,
Onde tudo começou...
Um anjo flechou com perfeição,
Eu posso afirmar sem medo,
Você é a fonte de minha inspiração.
Se antes eu tinha temor em sentir,
Por temer uma decepção,
Hoje entrego, corpo, alma e amor a ti.
Se amar é um jogo de amar e perder,
Vou contar algo que aprendi,
Se por medo de amar, tenho que deixar de viver:
É certo que decidi,
Amar e sofrer!

Edson Filho

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Professor, com muito orgulho!

Professor, com muito orgulho!



Precisei interromper a leitura e "correção" de algumas redações dos meus alunos da 6ª séries... Porque é difícil ver nas letras, nos textos deles, desenhada a vida, os sonhos, os temores, às dores, às angústias, a esperança, O SONHO! E não se emocionar, não verter uma lágrima... Ou mais... Realidade expressa com extrema dificuldade.


O ato de escrever, tão pouco exercitado na vida deles, também é oportunidade que cada um tem de se colocar no papel, na vida, de mostrar o seu eu real, muitas vezes disfarçado num aluno disperso, violento, barulhento, mas que na verdade está atento a tudo... Só disfarça e procura a atenção de alguém, que eles acreditam que pode salvar suas vidas, de tanta miséria, de tanta violência... Sua única esperança, depois de Deus, para os que ainda crêem, o PROFESSOR!


Meu Deus! Ver desenhada suas vidas, suas realidades, no papel... Olhar nos seus olhos, no momento de uma  lição de moral, numa aula motivacional e perceber a emoção nos seus olhos, quase descortinar seus pensamentos, quase suplicantes dizendo: me ajude professor! Então, enquanto escrevo esse texto para vocês, às lágrimas me vêm a face porque sei que não posso fazer mais por esses brasileiros que conhecem a realidade na sua face mais cruel, no seu dia a dia.


Mas foi uma das razões porque escolhi esta profissão. Não quis ser administrador de empresas, como era um sonho de criança, não quis ser advogado, como muitos amigos gostariam que fosse, porque domino algum conhecimento jurídico e sei inclusive, como usá-los. Porém, depois de um tempo, de muitas experiências que a vida me trouxe, um grito de socorro, que vinha de longe, me fez ESCOLHER (este é um verbo que tem poder na nossa vida!) ser professor. Decidi assim, que ensinaria esses jovens a conjugar outro verbo importante: VENCER!


Que Deus me dê forças e renove a cada dia meu ânimo para que todos os dias eu possa dar a melhor aula, que possa fazer brilhar àqueles olhos apagados por tantas derrotas, que possa transformar eles em guerreiros da VIDA. E, em vez de vê-los de arma em punho, possa cruzar com seus sorrisos de vencedores, num futuro próximo. Não sou um professor que desconhece a realidade deles, por isso, talvez, entenda como ninguém do que precisam. Mas não significa que você professor, que pertença a qualquer classe social, mesmo longe dessa realidade, não possa fazer o seu TRABALHO!


Sempre digo que ser professor, enfermeiro, médico, policial, bombeiro, entre outras profissões, são profissões de fé! Porque se você a ESCOLHEU, lembre-se, muita gente, mas muita gente depende só de você! Você pode fazer a diferença entre a VIDA e a MORTE! Fico muito entristecido, quando entro na sala dos professores, vejo e ouço professores antigos, que deveriam ser nosso referencial de inspiração, nos desestimulando, vendo apenas o que há de negativo no ensino público, vendo só defeitos nos seus alunos, entregando-os a própria sorte, abrindo mão de suas responsabilidades, culpando só governantes, quando ele mesmo, não faz sua parte. Mas eu não me contamino não!


Hoje, dias dos pais, ofereço esse texto a cada aluno meu que não tem pai, que o perdeu para violência ou que nem sequer o conheceu! E deixar aqui uma promessa, NÃO VOU DESISTIR DE VOCÊS NUNCA. Sou fruto de um ensino público, que diziam decadente, mas estou aqui! Sou fruto da base da pirâmide social, mas estou aqui! Vi e sofri algumas violências, perdi muito amigos pelo caminho, mas estou aqui! Contrariando todas as estatísticas negativas! Se eu estou vencendo, VOCÊS TAMBÉM PODEM VENCER E VENCERÃO. A minha mão está estendida e podem agarrá-la com força, porque eu não vou soltá-los. Sei que não posso salvar todos, mas salvarei todos que puder! Só gostaria de dividir isso com vocês aqui. Para que pensem a respeito e agradecer a todos os educadores que fazem a diferença no ENSINO PÚBLICO, orque é lá que devemos dar nossas melhores aulas!


(Texto antigo, retirado do livro, Palavras em Retalhas, que deu origem a este blog)